relacionamento@hdtecnologia.com.br
(62) 3996-7600

A venda de produtos no atacado movimenta cerca de 200 milhões ao ano, sendo os pequenos comerciantes o principal público dessas empresas. Ao longo dos anos de 2015 e 2016, este mercado passou por um período de estagnação, tendo a crise financeira como principal razão para isso. A queda geral no consumo de mercadorias, provocou o fechamento de muitas empresas no comércio varejista e refletiu diretamente no faturamento dos atacadistas. E com a queda no faturamento, a crise evidenciou outros problemas existentes nas empresas atacadistas, como o processo de gestão de vendas.

Para este segmento, nas técnicas de gestão de vendas, o desafio está em otimizar processos e reduzir custos. Para isso, listamos alguns tópicos aos quais você, atacadista, deve acompanhar de perto:

1. Registro adequado dos produtos: é fundamental para as empresas de vendas, no atacado, que os produtos vindos das fábricas, sejam devidamente cadastrados e monitorados ao longo de todo o processo. O objetivo é o de evitar perdas de mercadoria, seja por erro no registro, roubo, extravio ou data de validade.

2. Automatize os processos: gerir tantos processos e acompanhar uma grande quantidade de informações pode ser uma atividade, no mínimo, complicada e a demora na análise dos dados pode comprometer todo o seu processo de tomada de decisão. Para isso, o uso de um sistema de gestão, como o ERP, pode ajudar, agilizando o processo de tomada de decisão e realizando a análise em tempo real do estoque integrado aos pedidos de venda, do fluxo de caixa da empresa, expedição de mercadorias, comissões, entre outros.

3. Gestão do estoque: a crise fez com que o comércio varejista reduzisse os estoques de produtos em suas lojas. Da mesma forma, o comércio atacadista precisa gerir o estoque de maneira estratégica. É preciso considerar o prazo médio de estocagem dos produtos. O importante é estabelecer uma quantidade que não fique estagnada, afinal, mercadoria parada no estoque é dinheiro perdido, por isso, é importante acompanhar os níveis de armazenagem (mínima e máxima) de cada produto a fim de evitar gastos desnecessários.
4. Otimize a margem de contribuição: a margem de contribuição consiste no lucro bruto e cada departamento da empresa possui sua margem de contribuição para o crescimento do negócio. Ao avaliar esses departamentos é possível verificar quais deles são capazes de cobrir as despesas e quais geram perda de lucratividade. A partir dessas informações é possível gerir melhor os investimentos em cada parte da operação.

5. Conheça as necessidades de seus clientes: é importante avaliar quais os produtos que agregam maior valor ao negócio do cliente. O histórico das vendas pode auxiliar na avaliação de quais produtos possuem maior saída e participação nos lucros. Outro fator importante quanto ao cliente é compreender seus ciclos de compra e com isso é possível planejar o momento ideal de renovar o estoque.

O conjunto destas ações podem contribuir, e muito, para manter a sustentabilidade do negócio, neste momento ainda conturbado da economia brasileira. Utilizar este momento para reorganizar os processos é algo significativo para manutenção do negócio, mas também é fundamental organizar a casa para o momento de retomada do crescimento econômico do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *