relacionamento@hdtecnologia.com.br
(62) 3996-7600

Elementos básicos para uma boa gestão fiscal

Para as empresas se manterem competitivas é preciso manter a gestão fiscal em dias, com um bom planejamento tributário, controle fiscal eficiente, regime tributário adequado, cumprimento de deveres e um bom planejamento fiscal e contábil.

Sem definir metas, é quase impossível conhecer a real situação da empresa, especialmente quando a movimentação é alta, as chances de algo dar errado, como a perda de prazos, multas e juros, são maiores ainda.

Separamos algumas dicas básicas de como ter uma boa gestão fiscal:

Obrigações fiscais – Mantenha-se atento às obrigações fiscais, tenha tudo organizado e controlado, esses processos podem ser automatizados, busque ferramentas para isso.

Planejamento fiscal – É fundamental para as empresas, que todos os encargos, impostos e demais taxas a serem pagas estejam contempladas em um planejamento, assim é possível se preparar financeiramente, evitando desgastes desnecessários, colocando seu negócio em risco.

Benefícios fiscais – O governo federal, estadual e municipal concede benefícios fiscais para certas empresas, procure saber se a sua empresa tem direito a eles. Alguns dos benefícios mais comuns é a redução de alíquota do imposto, compensações, isenções, entre outros. Esses benefícios podem alavancar seu negócio, então pesquise, conheças as políticas de benefícios fiscais e a possibilidade de usá-los.

Regime tributário adequado – Garanta que sua empresa tenha aderido o regime tributário adequado, Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real, evite pagar mais impostos que deve ou mesmo estar ilegal diante do Fisco. Uma opção equivocada pode afetar gravemente a saúde dos negócios.

Outro ponto importante é manter essa avaliação constante, pois a situação fiscal de empresa pode mudar de um ano para outro, tornando necessário a alteração do modelo tributário aplicado até então.

Software de gestão – Com tantas questões a serem cogitadas, ter uma ferramenta que integre, controle e monitore a gestão fiscal da empresa, se torna indispensável, para automatizar e tornar assertiva as etapas e planejamento dos processos fiscais internos.

Todas essas dicas culminam em um ponto importante, desde que a empresa é aberta, a gestão fiscal deve ser rotineira e merece atenção, para garantir bons resultados e maximizar o crescimento dos negócios.

Para sua empresa crescer você precisa assumir a gestão e sair do operacional

Estar à frente de uma empresa requer do seu gestor uma visão completa do negócio. É importante que o principal líder da empresa volte a sua atenção para a gestão e o crescimento da empresa e para isto é preciso que se afaste das atividades operacionais para que possa dedicar-se as ações estratégicas do negócio.

 

O princípio da boa gestão é alocar as pessoas certas, nas posições certas, que sejam capacitadas para a função que irão desempenhar e que tenham autoridade para tomar as decisões do dia a dia. Cabe ao gestor definir os objetivos, as metas e acompanhar os indicadores para avaliar os resultados e tomar as principais decisões quanto ao direcionamento do negócio.

 

Para que isto ocorra é importante que o gestor seja capaz de capacitar sua equipe, coordenar projetos, analisar os resultados e acompanhar as tendências de mercado, para melhor direcionar a tomada de decisões. Para isto, é preciso que o empresário se afaste da rotina operacional e tenha uma visão de todas as diferentes áreas da empresa.

 

erp - sistema de gestãoMas, para isto, é importante que a figura de um gerente de área assuma a área operacional e tenha ligação direta com o gestor, assim a produtividade não será comprometida e o gestor não terá receio em se afastar. O líder operacional é importante para a rotina diária da empresa e sua atuação deve ser focada em uma área específica. Esta visão focada fará com que ele tenha os melhores resultados, mas esta figura é destinada aos gerentes ou diretores de área.

 

Cabe ao gestor definir a direção de crescimento da empresa. Mesmo sabendo da importância em assumir a função de gestor, alguns empresários ainda enfrentam dificuldades em se desligar da rotina operacional e para ajudá-lo temos algumas dicas:

 

1. Prepare sua equipe: Nada disso será feito da noite para o dia, comece preparando a sua equipe, ensine o que você sabe, compartilhe conhecimento, assim você conseguirá manter a boa qualidade da operação.
2. Monitore metas e indicadores: Acompanhar resultados é um dos pontos importante na rotina do gestor. Depois de delegar as atividades para sua equipe, defina objetivos e metas. As metas informam quanto ao desempenho de sua equipe, elas precisam ser alcançáveis, mas ao mesmo tempo desafiadoras.
3. Planeje o crescimento: você conhece os detalhes do negócio e sabe quais ações podem contribuir para o crescimento da empresa. É importante estabelecer um plano para o crescimento, ações para aquisição de novos clientes, captação de recursos, melhoria da gestão financeira, investimentos em pessoas e infraestrutura.

 

O importante é compreender que, como um bom gestor é você quem dá direção ao negócio. Por este motivo é indispensável que você esteja ciente do que acontece no todo e não apenas em parte. Busque aprimorar suas habilidades como gestor e se você ainda não conseguiu se afastar por completo da rotina operacional dê o primeiro passo, selecionando pessoas capazes de gerir sua equipe.

Vender mais: os passos para o sucesso! (5º passo – inovação em vendas)

Hoje encerramos nossa coletânea exclusiva de textos sobre vendas.  intuito era criar um passo-a-passo para abordar melhor as infinitas possibilidades de venda sem cair nas velhas “dicas de como vender mais”. Desta forma trabalhamos do planejamento de vendas à importância do tratamento ao cliente, do controle das vendas à organização do estabelecimento.

 

Nós da HD, sempre acreditamos no potencial daqueles que têm satisfação em ser empreendedor. Acreditamos na curiosidade dos empreendedores – que acessaram nossos artigos se aprofundando em novas reflexões que perpassam as estratégias de vendas – como um sinal de inovação para vocês próprios. E já que estamos falando em inovação é com chave de ouro que fechamos esse projeto – de muitos que virão – com o seguinte passo: “Inovação em vendas”.

 

Talvez a pergunta feita com mais frequência por todo empreendedor, seja: Como faço para vender mais?

 

O que poderíamos refletir sobre isso é: O que estamos vendendo? Como estamos vendendo? O que eu tenho de atrativo que exige que eu queira que venda mais? Vamos primeiro entender que inovar não é necessariamente criar algo totalmente novo, mas sim fazer algo que sua empresa ainda não tentou, seja uma atitude, mudança na gestão, uma compra, uma venda, etc.

 

Inovar exige ação do empreendedor, afim de alcançar um resultado melhor do que o que vinha sendo obtido. Quando falamos em inovação, logo se pensa: “Vamos tirar tudo do lugar!”. Mas na verdade inovar é uma tarefa que tem que ser dada em pequenos passos, um pouco a cada dia.

 

A inovação em vendas é pensar em coisas novas que estão inseridas nesta nuvem. Do funcionamento da empresa ao produto, do vendedor às estratégias. Você pode inovar, por exemplo, alterando as políticas internas da empresa como substituir as comissões individuais por comissões calculadas sobre o desempenho de toda a equipe.

 

Quando consideramos a inovação de canais de vendas, parte da criação de novas formas de vender, até a gestão e remodelagem de seus canais atuais, como investimento em marketing e novas mídias. Motivar seus vendedores para que eles entendam de negócios e não apenas de técnicas de vendas, deve ser uma obrigação básica da organização, para que eles possam a partir deste conhecimento trazer a inovação ao processo de venda.

 

Ouvir seus vendedores é um passo crucial. Afinal, eles são a verdadeira linha de frente de sua organização. Por fim, inovar é lembrar principalmente o que você vende. Propomos a dinâmica abaixo e talvez seja a pergunta faltava para você começar a inovar nas vendas.

 

Criada pelo professor do IMD N. Kumar, a pergunta é bem simples, mas é um ponto de partida para quem não sabe por onde começar.

 

“Quais fatores poderiam ser criados como novidade – coisas que nunca foram feitas antes pela concorrência? Onde podemos realmente inovar?”

 

Seria interessante reunir sua equipe de vendas para que a pergunta seja respondida em grupo, de preferência com a participação do máximo possível de pessoas. Feita a pergunta, o primeiro, ou melhor, o quinto passo será dado para vender mais.

 

Gestão de vendas

 

Sistematizar as vendas é um passo importantíssimo para poder vender mais. Saber como está o estoque, o financeiro e outros setores é fator estratégico nas decisões de venda.

 

Gestão é sinônimo de descomplicar, especialmente em vendas, onde o tempo é o grande desafio e as decisões precisam ser diretas e rápidas. O melhor controle que podemos ter é aquele que é usado por todos da equipe.

 

Para convencer profissionais de vendas a preencherem relatórios, por exemplo, temos que mostrar o significado desta tarefa. Sem isso, qualquer sistema ou método, não se aplica às vendas. Os sistemas de gestão estão aí. Como ressaltei, inovar é fazer diferente do que vem sendo feito.

 

 

HD para uma Gestão de Venda eficiente!

 

A Gestão de venda de seu negócio vai ficar em boas mãos!

 

Há 21 anos no mercado, somos especialistas em sistema de gestão empresarial. Apresentamos você ao nosso sistema de gestão empresarial “Lírio”. Rápido, fácil e completo! Dentre os recursos de venda do sistema estão:

 

  • CRM;
  • Funil de Vendas;
  • Orçamentos;
  • Ciclo de vendas;
  • Geração de oportunidades;
  • Geração e acompanhamento de Leads;
  • Venda Varejo/Atacado/Consignada;
  • Televendas;
  • Tabelas de Preços;
  • Comissionamento de Gerentes/Vendedores;

 

Sua gestão de vendas pode ser automatizada, gerando mais tranquilidade e tempo para você.

Se é para vender mais, conte com a gente!

Fluxo de caixa – O pulmão da sua empresa!

O Fluxo de Caixa é como o pulmão financeiro de uma empresa. Para que sua empresa respire melhor o controle eficiente do Fluxo de Caixa é indispensável. O fluxo caixa é ponto determinante para a gestão financeira de sua empresa. O fluxo de caixa irá orientar a entrada e a saída de caixa num determinado período.

 

“Através do fluxo de caixa, é possível fazer um acompanhamento das entradas e saídas de recursos e avaliar se a empresa trabalha com folga ou aperto financeiro”, diz José Carlos Cavalcante do Sebrae-SP.

 

É preciso de fôlego para manter sua empresa forte em um mercado em constante variação, e isso pode gerar muito estresse para você. Entender o fluxo de caixa pode ser mais fácil do que você imagina. Você só precisa registrar todas suas movimentações financeiras assim que elas acontecem.

Preparamos 5 passos simples para começar a organizar o fluxo de caixa. De forma mais prática, estes passos te levarão ao controle financeiro.

 

Passo 01: Previsão

 

Para começar o seu planejamento você precisa definir qual período você irá controlar. Este é o período que você vai pôr no papel as perspectivas e possibilidades que serão geradas financeiramente para sua empresa. Que tal fazer a previsão dos próximos 12 meses?

 

Passo 2: Saldo total

 

Saiba qual o saldo de todas as contas da sua empresa. Reúna todos os saldos da sua empresa neste exato momento. Contas bancárias, cofre, caixinha administrativo, enfim todo dinheiro disponível na sua empresa. Anote este valor. Este número será o ponto de partida do controle do fluxo de caixa da sua empresa.

 

Passo 3: Pagamentos e recebimentos

 

Registre todas as contas a pagar e a receber. Anote todas as contas que sua empresa tem para pagar aos seus fornecedores e todas as contas que sua empresa tem para receber dos seus clientes. Este é o grande ponto para saber o que virá pela frente. Se sua empresa comprou ou vendeu a prazo é preciso acompanhar os vencimentos de perto.

 

Evite pagamento de juros e multas por atraso e receber dos seus clientes em dia devem ser regras dentro da sua empresa. Por exemplo, se sua empresa comprou um equipamento em 10 vezes, anote as 10 parcelas no seu fluxo de caixa, assim, você já verá que nos próximos 10 meses parte do seu caixa está comprometido com o pagamento do seu fornecedor. Você deve fazer o mesmo com as contas a receber.

 

Passo 4: Atualize o Fluxo de Caixa

 

Anote todas as entradas e saídas de dinheiro que acontecerem no caixa da sua empresa no momento em que eles acontecerem. A correria do dia-a-dia é a principal justificativa para anotar depois. Esta é uma armadilha perigosa e uma das causas do descontrole financeiro.

 

Crie o hábito de anotar tudo será muito bom para o controle financeiro da sua empresa. Desta maneira, você poderá consultar seu fluxo de caixa a qualquer momento com a certeza de que os dados anotados estão corretos e atualizados.

 

Passo 5: Planejamento Financeiro

 

Analise e corrija o planejamento financeiro. Com os dados do seu fluxo de caixa atualizados você pode identificar com bastante antecedência o que irá acontecer com o caixa da sua empresa. Por exemplo, se a empresa não vender mais ou não negociar o prazo de pagamentos é possível que em alguma situação, o saldo operacional ficará negativo, ou seja, será preciso recorrer ao dinheiro guardado ou até mesmo a empréstimos para manter o saldo dos meses positivos. Ter esta informação pode te ajudar a tomar a melhor decisão num período de dificuldades.

 

Facilite seu trabalho!

 

Muitas empresas adotam um sistema de controle da entrada e saída de dinheiro. Em empresas menores, ou que querem se dedicar mais ao controle do fluxo de caixa, uma simples planilha consegue resolver o problema. A verdade é que se render à tecnologia é o melhor caminho, Empresas de sucesso optam por sistemas mais elaborados para fazer este controle.

 

Gestão financeira é com a HD

 

Como anda a saúde financeira da sua empresa? Além das tradicionais planilhas eletrônicas, nós recomendamos nosso sistema de gestão “Lírio”. O controle financeiro de seu negócio vai ficar em boas mãos!

 

Há 21 anos no mercado, somos especialistas em sistema de gestão empresarial e gestão financeira, tais como:

 

  • Contas a pagar;
  • Contas a receber;
  • Fluxo de Caixa;
  • Conciliação bancária/Controle de banco;
  • D.R.E (Demonstrativo de resultados);
  • Emissão de boletos
  • Integração bancária (Remessa e Retorno).

Gestão Fiscal – Mais acertos, menos riscos

Investir em gestão fiscal poderia ser um ponto unânime nas tomadas de decisões gerenciais.

 

Por causa disso, a organização tributária da empresa muitas vezes é colocada para lateral, e por ser mantida em segundo plano, os erros se acumulam cada vez mais.

 

Preparamos 5 dicas sobre como melhorar o andamento fiscal de sua empresa, acertando cada vez mais nos pontos que estão prejudicando a gestão empresarial de seu empreendimento no mercado.

 

1.Reúna-se com seu contador pelo menos uma vez por mês;

 

Se alinhar com a contabilidade é um passo importantíssimo para acompanhar os processos fiscais que correm por sua empresa. Conversar com seu contador e entender os procedimentos, geram mais segurança em relação a tomadas de decisões dentro da firma.

 

2.Faça o planejamento Tributário;

 

O planejamento tributário é crucial para a sobrevivência da empresa. No país em que as cargas tributárias são complemente complexas e densas, planejamento tributário não é luxo e sim obrigação. Sem isso pode ter certeza que os excessos burocráticas irão por seu negócio no chão.

 

3.Adeque as operações e metas às mudanças tributárias;

 

“De acordo com o IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação) desde a promulgação da Constituição Federal em 1988, a cada dia foram editadas 46 novas normas, totalizando uma quantia de 12 mil atualizações ao final do ano – 5,8 por hora útil.”

 

São números impressionantes, o que torna necessária a contratação de especialistas que possam auxiliar as operações fiscais de empreendimento.

 

4.Atualize as informações geradas pela contabilidade;

 

Use o setor de contabilidade a seu favor. Ao invés de pensar na contabilidade da empresa meramente por meios de lucro ou não, o empreendedor deve contar com o lado estratégico do setor de contabilidade, para aproveitar melhor oportunidades fiscais.

 

5.Desconhecer sua real carga tributária;

 

Quem conhece a carga tributária de sua empresa, com certeza está no caminho do sucesso. Ao observar a gestão fiscal, o empresário acaba por saber quanto recolhe de tributos.

 

 

[ALERTA] A Alta carga tributária não é a única culpada das dificuldades financeiras de sua empresa:

 

 

Reflita sobre fatores como falta de planejamento estratégico, cálculo inadequado do preço de venda, entre outros elementos que podem estar atrapalhando o sucesso do negócio. As dicas funcionam como uma pequena reflexão, é claro, sobre o que pode ser melhorado na gestão fiscal da sua empresa.

 

“Quando o empresário não sabe sobre sua gestão tributária, passa sempre a colocar a culpa tão somente no sistema tributário, quando na verdade, se tivesse investido em planejamento tributário não teria motivos para tal.”

 

A capacidade de utilizar tecnologia para controlar as tributações de seu negócio é o diferencial no mercado em que estamos. Momentos de crise, como o atual, exigem proatividade e atualização das empresas em relação às exigências das secretarias de fazenda.

 

Em geral, na prática, “as informações sobre a gestão de estoques, financeira, logística, tributária e de pessoal das empresas estão migrando do suporte físico, o papel; para o digital, por meio de documentos e livros fiscais eletrônicos.” Diz o especialista Roberto Dias Duarte.

 

A atualização e investimento em uma gestão fiscal automatizada é um salto para a administração de sua empresa. Facilitar o acesso, envio e cadastros em geral, é a melhor saída para conseguir se alinhar com as mudanças do mercado.

 

 

Sua Gestão Fiscal com a HD

Atualizar sua gestão fiscal é com a gente mesmo!

  • SPED Fiscal;
  • NF-e para todo Brasil;
  • NFS-e – Pronto para vários municípios;
  • SPED Contribuições (PIS e COFINS);
  • ECF (emissor de cupom fiscal)
  • TEF (transferência eletrônica de fundos);
  • Livros Fiscais de Entrada, Saída, Inventário e Apuração de ICMS
    Sintegra;
  • Integração com Diversos sistemas de escritórios contábeis.

 

Estamos no mercado há mais de 23 anos trazendo soluções de gestão eficazes para fortalecer sua empresa no mercado.

 

O sistema de gestão ‘Lírio’ trabalha com os diferenciais que você precisa. Funcionalidades de gestão, um suporte de excelência e muito mais tempo para você!

NF-e, SPED, NFC-e, Sintegra, NFS-e: entenda como essas siglas são importantes para a gestão de sucesso da sua empresa

Uma série de documentos eletrônicos ligados à tributação de exigências fiscais está, cada vez mais, fazendo parte do dia a dia das empresas de todos os portes e segmentos no Brasil. É por isso que é preciso conhecer siglas como Sintegra, Sped, NF-e, NFC-e e NFse. Mas você sabe o que significa cada uma delas e como são importantes para a gestão da sua empresa?

 

SINTEGRA O Sistema Integrado de Informações sobre Operações Interestaduais com Mercadorias e Serviços (SINTEGRA) é um conjunto de procedimentos administrativos e sistemas computacionais adotado pelas administrações tributárias de todos os estados brasileiros. Para os contribuintes (pessoas físicas e jurídicas), o SINTEGRA tem o objetivo de simplificar e homogeneizar o fornecimento de informações relativas às operações de compra, venda e prestação de serviços. Para os órgãos fiscalizadores estaduais, ele proporciona mais agilidade e confiabilidade das informações recebidas dos contribuintes e à troca de dados entre os diversos estados.

 

SPED O Sistema Público de Escrituração Digital é um projeto do governo federal para digitalizar a documentação tributária no Brasil. Com ele, a sistemática de cumprimento das obrigações, transmitidas pelos contribuintes aos órgãos administrativos e fiscalizadores, se torna mais moderno e ágil, inclusive com validade jurídica. O SPED faz bem para todo os contribuintes brasileiros, inclusive para as empresas, pois ele abarca NF-e, NFC-e, NFS-e e outros documentos eletrônicos que melhoram a transparência tributária no país.

 

NF-e Um dos mais bem sucedidos projetos do Sistema Público de Escrituração Digital (SEPD) brasileiro, a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) foi desenvolvida para melhorar a emissão e o manuseio da tradicional nota fiscal.

 

 

Porque a NF-e é importante para a sua empresa? Obviamente, a digitalização também serve para facilitar a fiscalização do governo no que tange o recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e ao Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A NF-e é de responsabilidade da Secretaria da Fazenda (SEFAZ). O órgão defende que o projeto simplifica e melhora a relação das empresas com os órgãos fiscalizadores, gerando validade jurídica digital e transparência, além de economia de papel e agilidade.

 

NFC-e A Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica também é um documento eletrônico regido pela SEFAZ, quase nos mesmos moldes da NF-e. Com a diferença de que ela é emitida para o consumidor.

 

Porque a NFC-e é importante para a sua empresa?   Com ela, quem compra em lojas tem a certeza de que tudo está sendo tributado corretamente e de que está participando de uma transação econômica legal. Assim como a NF-e, a NFC-e, não precisa ser impressa e pode ser encaminhada ao consumidor via e-mail, diminuindo o consumo de papel e até facilitando a conferência antes do envio da mercadoria – no caso dos comércios eletrônicos, por exemplo. Ou seja, é um documento que gera mais confiança ao seu cliente, torna sua relação com o Fisco mais transparente, ao mesmo tempo em que você diminui seus custos de impressão.

 

NFS-e NFS-e é a sigla para Nota Fiscal de Serviços Eletrônica, desenvolvido pela Receita Federal do Brasil e a Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais. É um arquivo digital, gerado e armazenado eletronicamente em Ambiente Nacional pela RFB, pela prefeitura ou por outra entidade conveniada, com a finalidade de documentar as operações de prestação de serviços.

 

Porque a NFS-e é importante para a sua empresa? A NFS-e padroniza e melhora a qualidade das informações tributárias prestadas aos órgãos públicos, o que melhora a competitividade das empresas, pois elas diminuem seus custos com a emissão e arquivo de documentos em papel. O governo acredita que este sistema está melhorando, inclusive o chamado custo-Brasil, especialmente no que tange à burocracia.

 

À medida que o sistema tributário brasileiro se moderniza, utilizando cada vez mais a agilidade que os meios digitais podem proporcionar, as empresas ganham competitividade, pois diminuem-se os erros e se diminui a burocracia. O relacionamento com os órgãos administrativos e fiscalizadores governamentais se torna mais automatizado e confiável, o que diminui os ruídos e melhora os processos.

Sistema ERP faz do seu fluxo de caixa uma ferramenta de gestão eficiente

Sucesso empresarial, é isso que todo empreendedor busca para seu negócio, mas para que uma empresa possa chegar no topo, se destacando das demais, é preciso ter uma gestão de qualidade aliada a tomadas de decisões certeiras.

 

Gerir e decidir não são tarefas fáceis, afinal não existe uma bola de cristal que mostre aos gestores os resultados antecipados de cada decisão possível. Embora essa tão sonhada bola de cristal não exista, é possível, não ver o futuro, mas criar estratégias a partir dos recursos e informações que o seu empreendimento gera no dia-a-dia.

 

Mas para que isso seja viável e economicamente interessante, é preciso lançar mão de velhos hábitos e aderir ao mais novo modelo administrativo existente no mercado. Esse modelo utiliza como base de apoio softwares conhecidos como ERP, que nós podemos entender como um sistema integrado de gestão empresarial.

 

Fluxo de Caixa e ERP – tomada de decisões estratégicas

 

Sistemas ERP atuam em prol da empresa, no sentido de automatizar diversas funções administrativas que, se realizadas por pessoas, demandaria muito tempo e recursos. Nesse sentido esses sistemas barateiam a administração e dão um potencial de qualidade e confiança nas informações – confiança oriunda da ausência do erro humano nas operações. Dessa forma, assumimos que sistemas ERPs estão intrinsecamente associados às rotinas do fluxo de caixa de uma empresa.

 

Uma vez que esses sistemas coletam, armazenam e processam todas as informações oriundas do fluxo de caixa. O fluxo de caixa é um montante de capital altamente volátil, que uma empresa utiliza como base para firmar novos investimentos. Esse capital é mutável e se altera constantemente, sendo que seu desempenho e volume é que ditam os rumos da empresa. Mas de que forma?

 

Simples, imagine que a sua empresa está para fechar a compra de um alto volume de matéria-prima, esse volume lhe trará um grande desconto que valida a compra, nesse momento você precisará analisar o seu fluxo de caixa para ter certeza que conseguirá honrar com as dívidas assumidas, somente se o fluxo de caixa estiver positivo em determinada data é que você será capaz de fechar esse negócio. 

 

Mas o que acontece se algum dos seus funcionários se esqueceu de realizar a quitação de um outro papel que vence no mesmo dia do seu grande negócio? Diga-se de passagem que isso é algo muito corriqueiro no dia a dia das empresas. Nesse momento sua empresa encontra-se em uma situação muito delicada que provavelmente deixará cicatrizes na estrutura ou no nome de sua empresa.

 

Utilizando sistemas ERPs, essas falhas humanas deixam de existir, e seu fluxo de caixa passa a ser mais saudável. Mas os benefícios não param por aí, sistemas de gestão empresarial ainda fornecem aos gestores uma poderosa cartilha de informações e dados estatísticos sobre as ações da empresa. Essas informações são importantes para que se possa achar qual a melhor ação a ser adotada, por exemplo: com as informações trabalhas é possível descobrir a sazonalidade de vendas, identificar setores e serviços mais requisitados, mapear zonas com baixo desempenho, períodos com maior saída de capital, recurso disponível e compromissos firmados.

 

Veja as vantagens que um fluxo de caixa saudável proporciona

 

  • Facilidade para criar planos e projeções de ação;
  • Facilidade em compreender os resultados financeiros;
  • Visualização de potenciais problemas financeiros.

 

Desvantagens do Fluxo de Caixa sem um sistema ERP associado

 

  • Informações escassas e com baixa confiabilidade;
  • Um pequeno erro destrói o planejamento por completo;
  • Armazenamento das informações feito de forma ineficiente. 

 

Quer saber mais sobre como melhorar o desempenho da sua empresa? Então não deixe de conhecer os serviços prestados pela HD Tecnologia. Possua o melhor sistema de gestão trabalhando a seu favor!